14 de outubro de 2015

#WhiteWashing: isso tem que acabar!

Todo mundo conhece uma história incrível, que já leu ou já ouviu de alguém. Aquela história com personagens diversos: mulheres, negros e negras, de origem indígena, asiática, pessoas gordas, magras, com cabelos coloridos, sem cabelos, crianças, adultos, jovens, idosos. Agora imaginem que coisa monstruosa seria se, de repente, essa história incrível fosse adaptada para o cinema e todos aqueles personagens fossem substituídos por personagens brancos e magros.

http://globalwomen.org.uk/hollywood-horror-the-whitewashing-of-women-of-color

Pois saibam que isso é mais comum de acontecer do que um filme ser produzido levando em consideração a diversidade de seres humanos que nos cerca. Um exemplo bastante recente e bastante criticado foi o filme Pan, do diretor Joe Wright. Embora repleto de nostalgia, o prelúdio das histórias do garoto que não queria crescer também é um retrato cruel do descaso que Hollywood faz com os atores, atrizes e personagens que não se encaixam em seu padrão.

Só que para a Warner, estúdio que produziu o longa, essa atitude de branquear personagens como a Princesa Tigrinha, uma nativa americana, rendeu não só uma enxurrada de críticas pontuais, como também um possível fracasso nas bilheterias. E esse fracasso é especialmente interessante, considerando que algumas das motivações mais comuns para branquear um filme são financeiras.



Uma "fonte" nos bastidores de Pan disse ao site The Hollywood Reporter em junho que Rooney Mara era a melhor atriz para o papel de Tigrinnha, mas com certeza é uma enorme coincidência que a melhor pessoa para o papel quase sempre é um ator/atriz caucasiano(a). O absurdo disso tudo é um argumento usado em larga escala para justificar o racismo que existe em Hollywood: Nós quisemos fazer color-blind casting, ou seja, escalar atores e atrizes cuja cor da pele não prejudique pessoas daltônicas. Mesmo beirando o nojo, esse tipo de desculpa é normalmente usada quando um elenco atores brancos é escalado para interpretar personagens de cor, ao invés do contrário.

Que fique bastante claro que as críticas feitas aqui não se estendem ao roteiro, ou aos efeitos especiais e atuações do filme Pan. As críticas aqui feitas se estendem à prática abominável de #WhiteWashing que Hollywood continua a fazer como se o branqueamento/apagamento das características físicas, culturais e sociais das pessoas do mundo fosse algo rotineiro e insignificante e que precisa parar!

Nenhum comentário: